Art-Trope de Paris passa a Representar Andrey Roca.

Atualizado: Jun 9




Retrato de um pintor da Art-Trope: Andrey Roca



Em 2019 a Art- Trope de Paris estará representando Andrey Roca na Europa, isto abrirá portas para que o artista realize exposições no exterior e possa projetar-se fora do Brasil, leia a entrevista de Andrey Roca para o Site da Art-Trope.

O artista pintor Andrey Roca oferece uma leitura cuidadosa e controlada da abstração com grande fluidez:

A jornada

Eu gosto de pensar que a arte é um elo entre a alma e o corpo. Foi assim que no começo eu vi a pintura como uma forma de conexão com o meu eu interior. Para me sentir confortável, procurei e sempre procuro controlar todas as situações da vida cotidiana, e a arte me faz esquecer esse controle obsessivo. Comecei meus estudos de arte com a intenção de trabalhar com pintura realista, sempre com o objetivo de manter o controle da situação, mas, com o tempo, passei gradualmente para a pintura abstrata para poder experimente várias técnicas e conheça outros artistas que a utilizam. Atualmente, como pintor, uso a técnica de fluidos, mas ao final do processo continuo realizando intervenções na tela, porque assim posso manter o controle do meu trabalho, controle que, acredito, sempre estará presente em meus trabalhos. Estudei artes visuais no Ateliê Rosi Costa, na cidade de Joinville, no Brasil. Na faculdade de arquitetura, a arte está sempre presente. Trabalho no Brasil em paralelo como representante farmacêutico de uma empresa francesa e a criação artística me ajuda muito, porque tenho que exercitar minha criatividade também no trabalho.

Sua abordagem artística

A abstração tem a particularidade de levantar dúvidas, de não ceder no primeiro momento, provocando um flerte com o espectador. Nesse contexto, dois pintores me inspiram, seja pela objetividade, pela profundidade e pelo mistério de suas obras: Mondrian e Kandinsky . Tanto quanto a técnica que me inspira é a da pintora sueca Emma Lindstrom, porque mantém semelhanças com meu trabalho de vida líquida poética. É particularmente importante para mim transmitir uma mensagem às pessoas através da minha Arte e do tema em que estou trabalhando, especialmente no que diz respeito à crise de refugiados no mundo, um assunto que ainda estava tão distante no Brasil, meu país de origem. Nos últimos anos, o número de refugiados haitianos e venezuelanos que chegam ao Brasil aumentou consideravelmente. Como salienta o filósofo contemporâneo Zygmunt Bauman: "a vida líquida é uma vida precária, vivida em condições de constante incerteza", e, desse ponto de vista, meu processo se baseia na técnica de representar a liquidez de nossas vidas. sociedade e as incertezas constantes que representam refugiados que deixam suas casas sem saber o que o futuro lhes reserva.

Sua evolução

Quando comecei a estudar Artes Plásticas, meu objetivo era trabalhar com pintura realista. Então comecei a usar tinta a óleo, mas com o tempo, o atraso no processo de secagem da tinta me fez perder a velocidade que eu tanto precisava, principalmente para testar outras tintas. Assim, minhas pinceladas começaram a se soltar instintivamente e o caminho do abstrato me parecia o caminho certo a seguir, porque eu podia me expressar de uma maneira mais completa. No momento, estou trabalhando em duas novas séries, Fronteiras e Aquário. Estes são realizados com um suporte de acrílico e usando a técnica de fluido acrílico. Nossa casa, o mundo, está passando por grandes transformações. Essas transformações geralmente têm consequências negativas. Penso que o papel do artista é marcar o tempo através de suas obras, para que as gerações futuras possam entender o que aconteceu em nosso tempo. É isso que motiva minha abordagem e minha linguagem artística, deixando um caminho para as gerações futuras. Parafraseando Vincent Van Gogh, minha Arte talvez seja destinada às gerações futuras.

Suas exposições

Minhas principais exposições são intituladas "Fronteiras" e "Incontrolável". Além disso, durante a inauguração da exposição Frontières, pude ver várias pessoas contemplando as obras e lendo histórias de refugiados que ali estavam registrados. Eles estavam entusiasmados e compartilharam isso ao seu redor. Atualmente, estou presente em duas exposições na Exposição Individual de Fronteiras até 26 de junho de 2019 na Galeria Garten e na exposição do grupo Painting +, até 3 de julho de 2019 na Galeria AAPLAJ, sendo as duas exposições baseadas em a cidade de Joinville no Brasil. Em outubro de 2019, ocorrerá a segunda edição da exposição individual “Incontrolável”, com data a ser confirmada, na galeria da AAPLAJ, em Joinville, no Brasil.

Seu relacionamento com Art-Trope

O grande desafio para um artista iniciante é poder apresentar seu trabalho. Portanto, estou limitado ao circuito artístico local e acho difícil mostrar meu trabalho fora do meu estado ou país. É por esse motivo a Art-Trope será fundamental para dar visibilidade ao meu trabalho em nível global, o sonho de cada Artista é poder exibir seus trabalhos internacionalmente e vejo essa possibilidade com a Art-Trope como mentora do meu trabalho. Estou ansioso para conhecer mais a Art-Trope e crescer como um artista.



0 visualização
Obrigado por compartilhar esta página